FALAM DE MULHERES, IDOSOS, NEGROS ETC. E OS SURDOS?

FALAM DE MULHERES, IDOSOS, NEGROS ETC. E OS SURDOS

(José Sana, estudante de Cultura Racional, Belo Horizonte – MG)

 

Nota da ADMINISTRAÇÃO DO BLOG:
O texto a seguir foi postado originalmente no site http://zedoburroevice-versa.blogspot.com/2019/11/falam-de-mulheres-idosos-negros-etc-e.html
É um convite à reflexão sobre os preconceitos que levam à marginalização de irmãos nossos, que não têm o funcionamento perfeito da sua parte animal, seu corpo de matéria. Essa marginalização acontece, devido à inconsciente valorização da matéria como algo verdadeiro, quando, a própria Natureza nos prova ser uma nulidade essa valorização, porque todos nascem na vida da matéria, na certeza de que vão morrer. O corpo de matéria, que é a parte animal, é passageiro, tem princípio e tem fim. Eterna, somente a parte RACIONAL do animal Racional, que é a alma da VIDA! A verdadeira deficiência do ser humano, essa, pouquíssimos a percebem, é não se conhecer racionalmente, vivendo sem saber QUEM SOMOS, DE ONDE VIEMOS E PARA ONDE VAMOS, deixando a humanidade à mercê de todas as negatividades do invisível – essa sim, a pior e mais terrível deficiência, que nos deixou à margem da sabedoria DIVINA, a sabedoria RACIONAL, e em decorrência, todos vivendo como verdadeiros irracionais, uns contra os outros e destruindo uns aos outros, e achando que estão muito certos e que vão muito bem.

 

Falam de mulheres, idosos, negros etc. E os surdos?

E os cegos? E os idosos cegos?  E outros deficientes? E a generalização de alguns casos? Todos são iguais ou não? Hipócritas! Os políticos, a imprensa, mais de noventa por cento da humanidade, quase todos são exatamente isto: dissimulados, falsos, fingidos, impostores, farsantes, enganadores, hipócritas. Não estou com raiva, apenas estava engasgado e agora me incluo orgulhosamente na lista dos que tiveram e têm a alegria de dizer que venci, vencemos, humildemente, e continuo, continuamos, triunfando.

Leio jornais todos os dias. A internet completa o meu vício ultimamente.  E vejo, percebo, constato que tratam os deficientes como marginalizados, dignos de dó. Mulheres são vistas como pobres-coitadas, e não são, conheço gigantes, fortes, embora dóceis. Cegos pertencem a um patamar especial, mas eles fascinam acima de tudo. Idosos podem não ser o que pensam. E os negros? Ah, os negros! Parem de falar em racismo! Negros são da melhor raça que existe no planeta, constituem até maioria no Brasil. E gastam páginas e tempo de TV, internet, tentando rebaixá-los. Acordem, malévolos!

E os surdos? Esses a minha bola da vez agora. A receita dos incautos e covardes é marginalizá-los, fazer de conta que inexistem. O silêncio é a regra para deixá-los de lado, abandonados, renegados. Esquecem os de coração bruto que Deus é o Rei da Compensação. Falei certo? Já incluí entre as minhas definições inarredáveis: Rei da Compensação. Aos cegos Ele deu mais tato; aos aleijados, mais mobilidade mental; aos surdos, mais percepção, sentimentos. A todos, mais inteligência. Guardem isto.

Sou obrigado a recorrer ao meu exemplo pessoal. Esse conheço a fundo. Aos cinco anos de idade, percebi que era um sujeitinho  muito cuidado, visado, vigiado. Mais bonito que os outros? Não. Mais feio que todos? Penso que nem tanto. Cabeça muito grande? Lá vêm os apelidos. Mas os tapas horríveis nas orelhas começaram a tilintar aos sete anos, na escola. Minhas notas eram 10 em tudo. Por quê? A resposta só tive anos depois, vinda do Rei da Compensação.

Aos 16, no curso científico, em Belo Horizonte, tive que parar. A marginalização era determinante. E nem sei como consegui cursar antes o Fundamental, chamado de Ginasial na época, num colégio super de frente, o Ginásio São Francisco, de Conceição do Mato Dentro. Aí levei não apenas tapas monumentais nos ouvidos, mas bofetadas, coques, lapadas, porque era de vez em quando um distraído, outras vezes um zonzo, sempre um surdo e para não esquecer da maior  humilhação que doía,  “um tiú”, aquele lagarto comprido que, dizem, nada escuta. Mas não aceitava o que tentavam me impor.

 

Enfrentei, rompi e ignorei muitos, principalmente colegas de imprensa, que tentaram denegrir minhas reportagens com questionamentos para incutir o descrédito de leitores — “ele ouviu? Milagre”, “celular provoca surdez?” — , passei em concursos diversos, num deles estadual com mais de 5 mil candidatos, em primeiro lugar; ingressei-me na antiga Companha Vale do Rio Doce, idem por concurso e fiquei não teimoso mas persistente cursando inglês e francês. Em tempo: nada de gabar. Esta é só uma narrativa.

Sempre não aceitando, intimamente seguro de que os “instantes voadores” eram momentos casuais, de distração. Mas, certa vez, de novo em Belo Horizonte, aos 33 de idade, estudo de inglês, casado, dois filhos (hoje tenho cinco e mais dez netos), chega o dia fatal: na sala com sete colegas adultos, todos engenheiros da Vale, a professora me gritou por outro nome que não era o meu próprio, de cartório e pia batismal, nem distraído, nem tiú, mas sonoramente pronunciado: “VOCÊ É BURRO!” (Grafo com letras maiúsculas para declarar o grito da senhora mestra e incluo um ponto de exclamação).

Saí da sala sorrateiramente, subi a avenida Afonso Pena a pé, no alto da Serra, e fui derramando lágrimas vias acima para derramá-las com um tio que me acolheu com um carinho de desmanchar qualquer coração duro. Cito o nome dele para que a glória de Deus o proclame ainda mais: Godofredo Cândido de Almeida Júnior. Um herói, a quem devo a superação daquele  momento difícil. Não riam porque o instante doeu muito e não é drama.

Uma semana depois, graças à evolução tecnológica, também sorrateiramente, estava de volta à sala de inglês, mais atrasado que meus colegas da empresa, mas completamente enquadrado no mundo deles, ouvindo até canto de canário do reino e o estridular dos beija-flores, cigarras e grilos. Aprendi o que me ensinaram, falei a língua anglo-saxônica, recebi o diploma e, na hora, o choro de arrependimento debruçado em meu ombro veio daquela que soltara aquele grito estridente dias atrás, cujo berro senti que abalara os bairros Serra, Anchieta e Mangabeiras: “VOCÊ É BURRO!”.

Preciso voltar ao assunto sempre porque existem milhares iguais a mim, no mundo. Voltar para dizer que procurei a  Associação Ocupacional e Assistencial de Itabira (Aoadi) para entrosar-me com seus membros e poder explicar meu grito não de burro mas de “PARE”. Grito de que o mundo é carente em saber  que a surdez já é corrigida por aparelhos auditivos, cada vez mais evoluídos e tornam todos completamente iguais, caso queiram. E chega de discriminação e segregação injusta! No meu caso, foi-me possível e é permitido concluir cursos superiores e de pós-graduação, pude e posso desenvolver naturalmente minha vida profissional. Porque tenho a característica que é dita na terra do minério de ferro: não entrego a rapadura.

Existem grandes otorrinos e fonoaudiólogas que gostaria de citar seus nomes, mas não é possível agora. Repito o que já deixei claro: hoje é o surdo, amanhã é o cego (e tenho uma linda história para contar de uma amiga que estudou junto de mim um bom tempo), além dos que carregam síndrome de Down (tenho uma irmã de sangue) e milhares de vencedores escondidos nas curvas e matas e tocas deste mundo que haveremos de consertar um dia.

 

José Sana

Em 14/11/2019

P.S.: Dedico este texto à minha Mãe, Itália Sana de Almeida, que completaria hoje, se aqui estivesse, 96 anos de idade. Ela que teve o sofrimento de viver longo tempo com baixa audição, como outros (avó, tios, primos, amigos) não quis experimentar a vida igualitária que a tecnologia nos concede. Que ninguém mais seja discriminado porque a tecnologia é perfeita.

 

Sobre nalub7

Uma pessoa cuja preocupação única é trabalhar em prol da verdadeira consciência humana, inclusive a própria, através do desenvolvimento do raciocínio, com base nas leis naturais que regem a natureza e que se encontram no contencioso da cultura natural da natureza, a CULTURA RACIONAL, dos Livros Universo em Desencanto.
Esse post foi publicado em AUTOCONHECIMENTO, EDUCAÇÃO E CULTURA, Livros, Saúde e bem-estar e marcado , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para FALAM DE MULHERES, IDOSOS, NEGROS ETC. E OS SURDOS?

  1. nalub7 disse:

    A maior deficiência, comum entre todos universalmente, é estar fora do seu estado natural de Racional, puro, limpo e perfeito, no nosso verdadeiro habitat, o MUNDO RACIONAL.
    E essa deficiência, que nos limitou à condição ridícula de animais Racionais, submetidos às transformações constantes de uma Natureza também fora de seu natural (razão porque se transforma), é que vem causando, pelas transformações, todas as deficiências no corpo humano, bem como na personalidade humana, transformações essas que atualmente nos mostram as monstruosidades a que um animal Racional pode chegar.
    A Cultura Racional, dos livros “Universo em Desencanto” nos prova e comprova que fomos originalmente os causadores dessa grande odisseia de transformações para pior, de geração a geração.
    Mas, felizmente nos revela como interromper esse processo negativo pelo desenvolvimento do raciocínio.
    É quando se tornam desmistificados todos os mistérios, fenômenos e enigmas, concluindo e justificando que “não há mal que sempre dure, nem bem que não se acabe”, porque tudo neste mundo material teve princípio e terá seu fim, porque o bem que conhecemos é aparente, e por isso tudo tem seu fim, e que esse fim é o retorno ao mundo de onde somos originários, o MUNDO RACIONAL.
    Aos visitantes do blog afirmamos: vale a pena conhecer esses Livros Racionais, que elevam nossa capacidade de entendimento ao nível jamais atingido na Terra, o da VERDADE das verdades.
    Belíssimo relato, José Sana, que levará o leitor a uma reflexão sobre deficiência muito além do lugar comum que a humanidade alcançou, e parabéns pela bela homenagem á sua mãe, que hoje completaria 96 anos.
    Belo ser um filho assim, deficiente auditivo, porém completo interiormente, pelo generoso e amoroso coração!
    Gratíssimos!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s